O 21 de setembro é mundialmente lembrado como Dia da Doença de Alzheimer. Para conscientizar a população sobre a data, o Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (Sindihospa) e a Associação Brasileira de Alzheimer – Regional RS (ABRAz-RS) realizaram evento para prestar assistência a familiares e cuidadores de pessoas com a doença. A enfermidade atinge 1,6 milhão de pessoas no Brasil.

 

Conselheiro do Sindihospa, o psiquiatra Eduardo Sabbi participou do painel “Conversando sobre Alzheimer”, e falou sobre como buscar o diagnóstico. “É importante que o familiar fique atento à mudança de comportamento repentina. A constância nessa alteração pode ser um sinal para que a pessoa procure uma assistência médica para identificar e tratar esses lapsos, sendo Alzheimer ou não”, explica.
 
 
O coordenador do Departamento de Residenciais Geriátricos, Thiago Lopes, avalia as alternativas de moradias para as pessoas na terceira idade. “O familiar cuidador passa por muitos desafios antes de decidir por um residencial e mesmo sabendo que é uma opção válida nesses casos, às vezes se sente culpado. A falta de entendimento de outros familiares sobre a troca de lar e a teimosia do idoso que acha que pode continuar administrando sua vida sozinho são alguns desafios”, afirma.
 
 
O neurologista Ivan Izquierdo, coordenador do Centro de Memória do Instituto do Cérebro da PUCRS, apresentou o tema "Nem todo esquecimento é Alzheimer". Reforçando a tese de que a precaução deve ser feita quando ocorre uma mudança de comportamento repentina, caso o familiar já tiver esquecimentos leves antes da idade avançada isso não será um caso para preocupação.
 
O evento também foi uma troca de experiências entre familiares e cuidadores durante todos os blocos, incentivando os participantes a falarem sobre suas angustias e preocupações no trato do paciente com a doença. O Coral Ítalo-Brasileiro encerrou a programação.
 
  
Fechar Menu